terça-feira, 19 de maio de 2015

A história de Silverthorn - Final

Finalmente vou terminar de postar a história. Atrasei tanto as postagens que quase virou novela da globo, hahaha. Confira as primeiras partes da história:

http://th02.deviantart.net/fs71/PRE/f/2013/230/8/e/silverthorn_by_toradh-d6inkuj.jpg
http://fc04.deviantart.net/fs70/i/2013/235/1/7/8__silverthorn___kamelot_by_clowrheed-d6jd0do.jpg

O box com cd duplo, poster e o storybook


Silverthorn Storybook

A história de Silverthorn - Final

Dez anos de silêncio. Inúmeras horas de oração. Meses de autoflagelação. Eu esfreguei minha pele crua com pedaços de pedras que desmoronaram das paredes em uma tentativa de me limpar. Mas nada funcionou. Não até agora, esculpindo estas palavras no calcário macio, dia após dia. Só agora eu encontrei a força para contar a minha história e dar aos meus segredos mais íntimos a chance de respirar o ar da liberdade. Liberdade em uma cela de prisão? Sim, uma prisão de carne e osso é muito pior do que uma de pedra e argamassa. Isso tem consumido meu interior como um veneno nocivo enquanto eu o mantive escondido. Com cada palavra que eu esculpir, estou me purgando de um pouco do veneno.

Nem todo o meu tempo aqui tem sido cruel. Já tive visitas regulares de um anjo, que canta músicas e me acalma para dormir. Eu não consigo distinguir o rosto dela, mas ela tem uma voz linda e sempre carrega um corvo em seu ombro. É a única paz que eu conheço neste triste estado de existência. Sussurros às vezes chegam aos meus ouvidos através das paredes. Ouvi dizer que Robert assumiu minha identidade e está vivendo muito bem em meu lugar.

Eu não o odeio por sua fraude. Na verdade, tenho pena dele. Ele tem a palavra marcada no peito e que, também, será a sua ruína no final. Disso eu tenho certeza. Porque ninguém pode carregar segredos e ter a palavra "verdade" em seu corpo sem ter que pagar pelas mentiras vindas do seu débito. Eu passei muito da minha vida pagando a minha dívida. Logo, a minha verdade vai voltar para me libertar.


Epilogo

A vida é preciosa. É um clichê e talvez, você mereça um final melhor para a minha história, mas eu temo que isso seja tudo que eu tenho a oferecer. Como eu havia previsto, o destino veio para reavaliar-me como um homem que já tinha abraçado a minha verdade. Eu decidi falar de novo, uma vez que eu tinha contado a minha história para as paredes da prisão.

Um juiz concordou em ouvir-me, uma vez que eu nunca tinha falado durante o julgamento inicial e assim fui automaticamente condenado com base em provas que não contestei. Chamei Alphaeus que poderia atestar que eu estava na capela quando Aurora tinha sido assassinada.

Quando o juiz perguntou por que Alphaeus não tinha vindo mais cedo, ele respondeu que eu não estava pronto para ele contar o que tinha acontecido e ele sabia que eu iria convocá-lo quando eu estivesse. Assim eu fui absolvido de todas as acusações, libertado da prisão e minha vida foi me dada de volta. Robert foi levado em custódia, julgado e condenado por assassinato de Aurora. Disseram-me que ele não falou uma palavra em seu julgamento. Eu só posso orar para que sua verdade o encontre como a minha me encontrou. É uma lição difícil de se ensinar, mas eu tenho certeza que ele vai sair de tudo isso como um homem aliviado e mudado.

Voltei a tocar violoncelo, mais uma vez. Às vezes eu harmonizo com o meu anjo, que ainda canta para mim, para acalmar o fantasma do caos que permanece em uma câmara interna do meu coração. Nunca mais esquecerei. Eu percebi que nunca se devem botar as suas tragédias de lado para serem esquecidas uma vez a que a felicidade se afasta das suas vidas. Se você fizer as pazes com a devastação e abraçá-la como parte de seu caráter, sobrará uma força. Caso contrário, poderia mais tarde levantar sua cabeça feia numa competição ciumenta contra o contentamento. Aqui eu estou sentado em um banco de parque, em Londres, mais uma vez, contando histórias de minha vida a você. Eu sou um homem realizado e distinto.

Tenho muito o que olhar para a frente no resto do meu tempo que virá. Eu...

O que foi isso? O som é tão familiar de alguma forma, mas eu não consigo decifrá-lo...
"Tem alguém aí?

Era uma melodia tão fraca mas ainda reconhecível. Eu quase poderia me lembrar ...

Ai está de novo. Ah, alguém estava assobiando uma melodia. Eu nunca fui apreciador de assobios. Eu mesmo sou mais um instrumentista. Na verdade, isso é engraçado, minha mãe costumava tocar uma melodia muito semelhante.

Espera...

The End
Fim

Silverthorn


Prodigal Son



Continuum




sexta-feira, 15 de maio de 2015

A história de Silverthorn - Quarta Parte

Confira a a primeira, a segunda e a terceira parte.

http://th08.deviantart.net/fs70/PRE/i/2012/365/6/7/silverthorn_by_frozenmistress-d5pts6g.jpg


Silverthorn Storybook

A história de Silverthorn - Quarta Parte

Aurora Livingston era cobiçada por todos os homens que puseram os olhos em cima dela e almejada por todos os que ouviram contos sobre a sua beleza. Seu sorriso era um farol que te levava para a segurança e fazia você se sentir como se fosse importante no mundo. Ela era inteligente e espirituosa e amável. Sua família era reverenciada em cada círculo social imaginável. É por isso que eu mal podia acreditar quando me vi segurando-a em meus braços após a celebração da colheita anual no Colégio Covington. Sendo um pouco tímido e não muito extrovertido eu nunca ousaria sonhar casar com uma mulher como Aurora. Eu senti que ela era tudo que eu não era. Apesar de eu admirá-la, eu o fiz de longe, eu ainda estava escolhendo ficar imerso ao trabalho e não perder minha cabeça em sonhos e obsessões de garotos.

Mesmo assim, eu me encontrei próximo dela mais e mais vezes. Eu era o mais surpreso ao vê-la numa excursão organizada por um amigo em comum. Nós dois fomos convidados a embarcar por uma tarde, em um barco no Lago Stoneacres, e de repente ela estava sentada ao meu lado. Ela brincaria dizendo que teria sido mais fácil para pegar um peixe com as mãos do que iniciar uma conversa comigo, mas de alguma forma nós conseguimos. Descobri que o nosso amigo em comum tinha sido dito que Aurora queria uma oportunidade de conhecer a "o misterioso jovem Bellewater ", e assim o nosso destino foi selado. Depois da nossa excursão de barco, eu não conseguia tirá-la da minha mente, mesmo quando eu tentei resolver uma equação particularmente complexa em meus estudos. Eu simplesmente tinha que vê-la novamente.

Então, eu me atrevi a visitá-la e que momento nervoso foi aquele! Nós éramos inseparáveis ​​agora e nós éramos noivos na Primavera. Que sonhos e planos nós tivemos juntos! Ela era a minha estrela brilhante, minha musa. Sempre que eu entrava no quarto, ela olhava para mim como se eu fosse a coisa mais incrível do universo e ela me fez querer ser um grande homem. Aurora fez tudo parecer possível. Meu nome e reputação estavam subindo cada vez mais na escada social. Era como se o sol tivesse finalmente nascido em uma noite cruel que durou 100 anos. Eu estava vivo novamente.

...

Aurora Livingston se tornou minha esposa um ano depois que nos conhecemos, um pouco depois que eu terminei meus estudos. Eu tinha acabado de receber uma oferta muito boa de um laboratório de pesquisa científica em Oxford e nós estávamos pensando em como lidaríamos se eu fosse a passar mais tempo em Oxford. Os dias sombrios de minha vida familiar pareciam ter desaparecido na distância, quando recebi a notícia de que uma tia tinha falecido. Naturalmente, Aurora e eu fizemos uma pequena viagem para o funeral, mas eu me sentia como se nenhuma tristeza jamais poderia penetrar na minha felicidade com a minha linda nova esposa. Não pensava no meu passado ou no que poderia acontecer no funeral. Na nossa chegada, fomos recebidos por alguns membros da família a quem eu apresentei Aurora e depois fomos conduzidos aos nossos lugares. Cantamos um hino e ouvimos as palavras do padre oferecendo uma oração. As coisas continuaram por quase uma hora e durante a oração de encerramento, eu estava começando a ficar inquieto.

Então uma afastada melodia da varanda superior, tão fraca no começo, com um volume crescente. Era um violoncelo. Era a melodia da minha mãe. Eu não podia acreditar. De repente eu estava preso em um pesadelo e meu corpo respondia, me fazendo violentamente e encharcando minha roupa preta de luto com o suor. Aurora não entendia o que estava acontecendo. Eu não sabia também, porque ninguém estava olhando em volta para ver onde a música originou. Será que eles se esqueceram? Será que eles não se importam? Levantei-me e tropecei desde o centro da fila onde estávamos sentados até o corredor, fazendo papel de bobo, mas isso era de pouca importância para mim. Eu tinha que descobrir de onde a música estava vindo e quem estava tocando. Era Robert? Seria alguém tentando me insultar? O que era essa loucura? Corri para a varanda superior e de repente parecia que a música estava vindo o nível mais baixo na parte de trás da igreja. Então eu corri de volta para as estreitas e sinuosas escadas de pedra, mas eu não conseguia ouvir a musica!

As pessoas estavam começando a deixar a igreja e eu freneticamente olhava para os rostos. Não vi ninguém que eu conhecia. Eu TINHA que encontrar quem estava tocando a música! Enquanto eu voltava do corredor lateral até a frente da igreja para encontrar Aurora, eu notei uma pequena sala na minha esquerda. Quando olhei para dentro, era necessário que meus olhos se ajustassem à escuridão, pois não havia janelas.

Lá eu vi uma cadeira solitária com uma rosa branca no centro. Corri de volta para buscar uma vela de uma das mesas para dar uma olhada ao redor da base da cadeira. Com certeza, eram crinas de cavalo. Alguém tinha tocado um violoncelo ali. O medo se arrastou de volta em meus ossos, aquela noite eu não conseguia me trazer ao normal para responder a todas as perguntas de Aurora. Ela queria saber por que eu, de repente me levantei e a deixei durante a oração. Ela me pediu para lhe dizer o que estava errado e por que eu estava tão distante. Mas eu estava apavorado demais para falar sobre o que eu tinha passado, porque não fez qualquer sentido a não ser que queira voltei para o início o que seria simplesmente muito doloroso.

Então, eu não disse nada. A nossa volta pra casa havia sido maior do que a ida para o funeral por que o silencio entre nós se estendeu as milhas. Eu estava perdido e quando chegamos na nossa casa, eu decidi dar uma volta pela floresta. Alphaeus estava lá na capela, como sempre. Ele estava descascando batatas em um banco no lado sul da casa de pedra e eu me sentei ao lado dele. Eu não disse nada e ele continuou com o seu trabalho. Entrei e me ajoelhei no pequeno altar. Lembrando de todas as vezes que eu tinha feito ao longo do ano, mas sentindo como se quem tivesse feito isso fora um homem diferente do que eu havia me tornado. Enquanto eu me ajoelhava e orava, fui tomado pelo desejo de tirar o meu casaco, o colete, a camisa. Eu não tinha percebido, mas eu estava chorando. Meu corpo levantou, sacudido por soluços. Eu abro meus braços para os lados e olhou para os céus, nu da cintura para cima, expondo a mim e os meus pecados para Deus e Seus anjos à vista. Veritas. Alphaeus entrou na capela e disse:

"Você foi ouvido, meu filho." 

Depois de recuperar o meu fôlego e conseguir forças para me manter em pé, juntei minhas roupas e voltei para a casa. Como eu estava andando, eu ouvi um som distante. Parei para ouvir, forçando meus ouvidos. Não podia ser! Eu parti em um movimento frenético em direção à musica e em direção casa e congelei à beira do campo verde que leva a varanda. Lá no pavilhão estava Robert com o violoncelo de mamãe no mesmo local que ela costumava praticar e nos assombrar com a sua triste melodia. O sangue escorria pelo meu rosto. Meu coração estava batendo tão forte no meu peito como se fosse estourar através dos meus pulmões. Parecia que eu tinha uma boca cheia de areia.

Corri completamente sobre os degraus da varanda, pela porta da frente até o quarto que eu dividia com Aurora. Estava na cama, bela e perfeita como sempre foi, com o “Silverthorn” de minha mãe perfurando-a através do peito. Seus olhos estavam sem vida. O quarto parecia errado e tinha um doentio cheiro doce metálico no ar. Eu não conseguia respirar. Minhas mãos estavam vermelhas. A música estava tocando mais e mais, cavando dentro da minha cabeça. Robert estava tocando bem atrás de mim? Quando me virei, não havia ninguém lá. Caminhei lentamente de volta para baixo, para a porta da frente no pavilhão. Lá estava Robert, chorando em suas mãos, uma rosa branca em seus pés. Sentei-me na escada e olhei para a colina, observando lanternas se aproximarem da casa. Logo um grupo de homens chegou, me erguendo e exigindo saber por que eu estava coberto de sangue.

Mais deles entraram na casa e voltam pela porta da frente com o corpo de Aurora. Robert se levantou, ainda chorando, e apontou para mim.  "Ele se foi por todos esses anos, mas hoje à noite ele voltou para matar a minha luz, meu amor! Três dos homens agarraram-me forte me deixaram de joelhos, amarrando minhas mãos atrás das costas com uma corda. Eles me colocaram em um carro e me levaram ao escritório da autoridade local. Fui interrogado e incitado, encharcado com água e socado no rosto. Ainda assim, eu não falaria. Eu sabia que meu tempo de expiação tinha chegado. Eu nunca estaria pronto para pagar pelo que aconteceu com Jolee. E assim esta foi o jeito do destino para voltar e coletar dívidas Passadas. Eu estava determinado pagar a minha penitência. Mesmo que ela tenha sido ligeiramente deslocada.

To be continued...
Continua...


Falling Like The Fahrenheit




A História de Silverthorn - Terceira Parte

Antes de tudo, quero pedir desculpas pela demora em continuar a história, mas não tive tempo para o blog esta semana.

Confira a parte 1 e a parte 2.



Silverthorn Storybook

A história de Silverthorn - Terceira Parte

Robert estava enganado. Depois que ele partiu, as mortes continuaram, iniciando com a mãe. Ela nunca mais foi a mesma depois que ela perdeu Jolee e eu acredito que a fenda em seu coração só havia crescido mais ao longo dos anos até que ela não poderia mais manter as duas metades unidas. A Partida de Robert foi a sua ruína final. Eu estava certo de que ele retornaria para o funeral dela, mas quando olhei ao redor, os rostos que enchiam os bancos da igreja antes da cerimônia se iniciar, nenhum deles era o Robert.

O Pai estava tão perdido contudo eu não conseguiria consolá-lo depois de tudo que ele tinha feito.  Um louvor começou e grandes palavras foram ditas sobre os dias de glória e felicidade de mamãe, dias que nós todos quase havíamos esquecido. Foi então que a música começou, tocada uma vez em cada evento trágico por minha mãe e apenas por ela. As notas cantavam tão tristes e doces como a minha mãe tinha sido e cabeças estavam virando-se para ver de onde elas vinham. Eu saltei enquanto a musica e o louvor prosseguiam, procurando pela origem da música.

A igreja era grande e havia muitas viradas, curvas, cantos e varandas. Minha procura se ​​tornou mais frenética, até o louvor e a música de repente terminam. Eu dobrei a segunda esquina na varanda para encontrar uma cadeira solitária, ainda quente. Havia alguns pêlos de cavalo e uma rosa branca onde quem estava tocando tinha sentado poucos segundos antes. Eu não vi ninguém. Então, a noite, voltei de um baile da minha faculdade e encontrei meu pai no sofá na sala de estar. Eu acreditei que ele estava dormindo no início, mas após uma segunda olhada, vi que seus olhos estavam abertos, olhando para um distante desconhecido.

Desde que Robert desapareceu sem deixar rasto, ninguém mais restou, eu era o único beneficiário da herança da minha família. As terras, as propriedades, Wheatley e todo o resto vieram para minha posse e eu estava totalmente ocupado sendo um cavalheiro, embora eu estivesse determinado a concluir meus estudos. Eu me joguei de cabeça em meus livros e pesquisas, trabalhando ao longo de cada dia na esperança de que os meus esforços cansassem a minha tristeza. Era fim do verão de 1876, eu encontrei a capela e conheci Aurora.

...

Há algo de limpo e clemente na floresta. Sua folhagem verdejante é a própria essência da vida. Os sons de pássaros e insetos são revigorantes.  O roçar do vento nas folhas é calmante. Você parece insignificante, pois você sabe que mesmo se você não existisse, a floresta e todas as suas criaturas continuariam ali, exatamente como eles estão agora. Eu gostava de vagar pela floresta para limpar a minha cabeça depois de um longo dia. As folhas estavam ficando douradas conforme o verão estava terminando.

Eu decidi tomar um caminho diferente, que eu não havia explorado antes, e cheguei a um clarão. No final do clarão havia uma pequena estrutura de pedra que parecia ser uma capela. O telhado em pico e as janelas de vidros diamante foram estampados com cores intrincadas. Como me aproximei, notei um homem mais velho inclinado, trabalhando em um jardim ao lado da capela. Eu me apresentei e perguntei a colocação e a função daquele homem e da capela.

Ele disse que seu nome era Alphaeus e que ele tinha sido um acólito na catedral de São Pedro, onde minha mãe algumas vezes ia rezar. Depois de ter perdido Jolee, ela contratou Alphaeus para vir e construir uma pequena capela (onde ele viveria a partir de então) no bosque ela poderia vir em privacidade para orar e meditar. Eu nunca soube disso, nem qualquer outra pessoa e foram muitas novidades para eu digerir. Alphaeus provou saber muito sobre a minha mãe, a nossa família e as tragédias que haviam caído sobre nós. Ele era uma alma amável e gentil era muito fácil conversar com ele, eu senti uma sensação de profundo alívio, depois de falar com ele. Depois daquele dia tornou-se um ritual procurar a capela e os conselhos de Alphaeus.

To be continued...
Continua...



quarta-feira, 6 de maio de 2015

A História de Silverthorn - Segunda Parte

Confira a abaixo a segunda parte da história que começou a ser contada aqui.



Silverthorn Storybook

A história de Silverthorn -  Segunda Parte

Os dias que se seguiram foram embaçados e sem sentido. Chuva, Tristeza, Luto e Lagrimas. Vizinhos se unindo em um grupo de busca. Nossa mãe colapsou quando ninguém foi capaz de encontrar e retornar com Jolee. Pessoas de luto indo e vindo a nossa casa. O olhar vago nos olhos de nosso pai. Mas o pior de tudo era o silêncio. Mamãe não tocava o violoncelo e a voz doce de Jolee não estava mais cantando alguma melodia feliz. Dezenas de pessoas nos perguntavam o que tinha acontecido. Mas Robert e eu simplesmente olhávamos fixamente um para o outro e dizíamos que não sabíamos. Nenhum de nós se atrevia a falar o que realmente tinha acontecido. Nós certamente seriamos punidos além dos nossos limites, nós temíamos.

Não podíamos suportar a idéia de sermos odiados e culpados por nossos pais em cima da perda e do luto que estávamos todos compartilhando. Isso seria insuportável.  No dia do funeral, palavras de conforto foram oferecidas, mas não há conforto para as almas que foram jogadas no poço da desesperadora perda. Também não parecia certo, por que não havia um corpo físico lá, foi tudo tão surreal. De qualquer forma a morte é um conceito tão difícil de entender, mas parece abstrata e cruel se nenhum fim é oferecido através da visão do seu amado em um estado inanimado. Nós nos sentimos amaldiçoados.  A ultima oração estava sendo feita e as coisas estavam chegando ao fim. Foi quando ouvimos; a mais doce e abandonada melodia, chorando do violoncelo de nossa mãe.  Nós já tínhamos escutado elas antes, no entanto, foi ainda mais triste e apaixonada neste momento. O ministro fez uma pausa de espanto e temor, porém, continuou a oração com mais sinceridade e emoção. Esse foi o fim. E depois esse foi o início.

Minha vida é composta de vários furos. Vazios. Profundos. Espaçados. Ocos. Existe aquele que foi deixado quando Jolee se foi naquela curva do rio. Um determinado espaço foi criado pela culpa do segredo que Robert e eu mantínhamos sobre o ocorrido naquele dia. Existem buracos no tempo que eu simplesmente perdi quando não consigo me lembrar onde eu estive ou o que eu fiz. E há um buraco que cresce cada vez que eu ouço minha mãe tocar a assombrada melodia, a melodia que se tornou canção tema de nossa família para a tragédia. Nos meses seguintes a morte de Jolee nossa mãe se tornou cada vez mais retraída e nosso pai procurou consolo no álcool. Comecei a me perder em livros e Robert queria passar mais tempo fora de casa com os novos amigos que ele estava fazendo. Ambos, no entanto fomos atraídos para o violoncelo. Jolee tinha a afinidade de nossa mãe para o violoncelo e se mostrou uma promessa de prodígio, então nós sentimos quase uma obrigação de tocar também, para compensar a sua ausência. Sempre que a nossa mãe não estava praticando no pavilhão, um de nós ia ficando mais familiarizado com o instrumento.

Robert parecia especialmente talentoso e a primeira vez que a mãe sorriu desde a tragédia foi quando todos nós escutamos ele terminar uma peça particularmente difícil, era uma favorita de Jolee. Anos se passaram e todos nós caímos em nossas rotinas. Apesar de todos nós termos andado o mesmo insignificante caminho nebuloso desde que a nossa jóia partiu nós acabamos de todas as outras formas nos distanciando, crescendo separados um do outro. Eu estava cada vez mais estudioso, enquanto Robert se rebelou contra todos os convencionalismos. Nossa mãe ficou quieta, triste e doce enquanto nosso pai se tornou cada vez mais barulhento, desagradável e violento. Nosso pai também descontou a sua agressividade em meu irmão que se fez de alvo fácil, chegando em casa tarde, sendo mal humorado na escola e confraternizando com más companhias. Parecia que a raiva do pai era o fogo nos seus punhos e a carne e osso de Robert era a água para apagar esse fogo.

Cada vez que o pai precisava sufocar a chama dos seus punhos, mamãe pegava o Silverthorn e tocava sua trágica canção no pavilhão, abafando os prantos de Robert. Isso aconteceu tantas vezes que eu me tornei insensível, atraindo-me em um dos meus buracos para me consolar com o vazio que era oferecido lá. Então, como se alguém tivesse estalado seus dedos para a maré entrar, as mortes começaram. Tudo começou com uns primos nossos, cada um no lado da família da mãe e do pai. Depois tias e tios. Mês a mês e um por um, haveria notícias de um acidente estranho e bizarro que reivindicou outra vida. Nós fomos amaldiçoados e ninguém entendia o que estava acontecendo. Todos estavam tensos e mortificados por que a morte se aproximava a cada dia. Mas eu e Robert entendíamos. Isso era nossa obra. Karma foi um agente que exigiu o reembolso e este era o momento para a nossa retribuição. Em cada funeral, a mãe emprestava seus talentos para lamentações e tocava sua canção, que se tornou canção de todos. Em algum lugar próximo ao sexto funeral nosso pai teve uma explosão de agressividade e bateu tanto em Robert que eu teria certeza que ele seria o sétimo a ser enterrado. Aquela noite quando ele deitou em sua cama, todo inchado e ensanguentado, ele me disse que partiria. Na próxima semana faríamos 17 anos e já éramos homens crescidos. 

Crescidos o suficiente para poder deixar o abominável poço de desespero que nossa família passou a ser, de acordo com Robert. Ele acreditava que essa era a única maneira de quebrar a influência da maldição e restaurar um senso de equilíbrio para a família. E se o equilíbrio não fosse restaurado, ele seria condenado, se ele ficasse para dar o testemunho. No entanto, uma questão ainda precisava ser resolvida antes que ele faça a sua partida. A questão de o que tinha acontecido com Jolee. Desde aquele dia nós nunca falamos uma palavra do que havia acontecido e ambos juramos de novo e em voz alta que o nosso segredo permaneceria conosco até os nossos túmulos. Mas palavras não eram suficientes. Palavras nunca são o suficiente. Nosso segredo exigia mais. E, assim, marcou o outro pacto com cicatrizes dolorosas, tão horríveis e desfiguradas para nossos corpos quanto têm sido os nossos espíritos por todos esses anos, Nós marcamos nossos corações com a palavra que tememos mais do que qualquer outra coisa: a verdade. Veritas.

To be continued...
Continua...

Confira a música Veritas:

 



Clipe de Sacrimony:


Ouça Song for Jolee:



Fonte: http://realm0of0darkness.blogspot.com.br/2012/11/silverthorn-storybook.html
e storybook da edição de luxo do álbum Silverthorn

segunda-feira, 4 de maio de 2015

A história de Silverthorn - Primeira Parte

Silverthorn foi o décimo álbum da banda americana, de symphonic metal, power metal e metal progressivo, Kamelot. Mais um álbum conceitual deles. Encontrei a história dele na internet e vou disponibilizar a tradução (by Google) em cinco posts. Ela está disponível na edição de luxo do álbum, em um livreto, que contém um cd duplo, o normal com bônus e o instrumental, além de um pôster autografado. A primeira parte começa abaixo:



Silverthorn Storybook

The story of Silverthorn
A história de Silverthorn

Não existem histórias que ninguém queira ouvir. Existem histórias que ninguém quer contar. E então, existem histórias que infeccionam e apodrecem, corroendo a alma até que não exista outra saída senão levá-las a luz do dia, não importando o quão fria e insensível essa iluminação se provar ser aos que a encontram.

Eu temi a luz da verdade, preferindo viver privado e encolhido nas sombras da negação. Esta é uma vida que não tem mais a possibilidade de ser realizada, não importa o quão horrenda essa alternativa possa parecer. Assim eu vim para abraçar essa luz que poderia ser a destruição da minha existência, como eu a conheço, no entanto tortuosa e tumultuada como dizem que ela deve ser, desde aquele fatídico dia, há algum tempo atrás. Este é o meu legado construído dentro de um grande palácio de arrependimento.

...

O ano era 1865 e era o auge de um verão especialmente próspero e pacífico em Costwolds. Embora houvesse muita discussão sobre uma devastadora fome, que fazia seu caminho através da Irlanda e uma grande guerra civil que tinha acabado de terminar nas ex-colônias, a Inglaterra estava crescendo tanto economicamente quanto em população. Parecia que em todo lugar que olhávamos, bebês estavam sendo envoltos, mimados e amamentados. Lords e Ladies da região estavam recebendo convite atrás de convite para suntuosas e extravagantes festas lançadas pela nobreza de toda parte.

Cada refeição era um banquete e nós tínhamos mais jardineiros, empregadas, cozinheiros e babás do que nós pudéssemos lembrar os nomes. Mágoa e perda eram palavras estranhas e distantes a nós e nunca pensamos que as conheceríamos. Os idas eram longos, o paraíso e a gloriosa luz do sol tinham feito de Costwolds sua nova residência. Como éramos filhos de pais bem-nascidos, não tínhamos uma preocupação no mundo e passávamos o dia brincando sobre os grandes pastos verdes ao redor de Wheatley, na nossa casa de verão perto dos lagos Someford.

Nosso pai, Alistair, era um respeitável Bellewater de Cheltenham. E nossa mãe, Vivienne, era a mais bela e amada da família McKenna de Gloucester, era uma violoncelista completa, que amava adorar seu instrumento feito de madeira de borda, num pavilhão em frente a uma gentil colina fora de Wheatley. Vivienna McKenna era o nome de solteira antes de ela se tornar Vivienne Bellewater e acabar estabelecendo sua própria família. Ela já tinha tocado até mesmo para a Rainha Victoria durante um banquete político com a Rainha Isabella, da Espanha.

Gostávamos de sentar e escutá-la praticando e, inevitavelmente pedíamos a ela para contar as histórias sobre sua performance para a realeza outra vez, suas descrições sobre as companhias e coroas das rainhas eram as nossas partes favoritas do conto. Vivienne deixou tal impressão na rainha, que ela e Alistair foram convidados para o casamento do Príncipe de Gales e da Princesa Alexandra da Dinamarca, em Winsdor, 1863. Embora ela não se apresentasse em festividades, foi a maior honra já dada a um músico, e para nós, os nossos pais eram tão nobres como os da casa de Saxe-Coburgo e Gotha.

Não havia nenhum homem que tinha um amor maior por sua mulher em toda a terra do que Alistair Bellewater. Ele adorava cada detalhe de Vivienne e estava estasiado com seu talento com o violoncelo. Para o casamento deles, ele mesmo fez-lhe um presente, o mais belo arco de violino que qualquer um já tenha visto. As extremidades eram adornadas com prata. Nossa mãe se referia a essa magnífica ferramenta simplesmente como seu "Silverthorn", e tratando-o com o máximo de cuidado.

Como sempre, naquele ano, quando arrumamos nossa bagagem para Wheatley, Silverthorn ia fazer a viagem com a gente, ao lado de minha mãe. Já há algum tempo, nosso pai parecia incomodado com alguma coisa e nossa mãe estava gastando uma quantidade crescente de tempo criando nossa irmã mais nova, Jolee, a jóia da família; orgulho e alegria dos meus pais. Mamãe ficou muito doente por alguns meses, enquanto todos os outros lares que eu conhecia estavam ganhando um membro da família quase todos os anos, Jolee estava se aproximando dos 6 anos de idade e nós ainda não tínhamos um irmãozinho ou irmãzinha mais novo. Uma noite, durante o jantar, soubemos que a nossa tia Elizabeth tinha dado à luz ao seu sétimo filho, meu irmão gêmeo Robert perguntou meu pai quando teríamos um novo irmão também. Nosso pai socou o punho na mesa e nos proibiu de fazer tal pergunta. Nossa mãe desculpou-se e correu para fora da sala em lágrimas.

Mais tarde naquela noite, como eu estava intrigado sobre a reação dos nossos pais à pergunta de Robert, uma música subia para a minha janela, algo que eu nunca tinha ouvido minha mãe tocar antes. Era uma melodia tão devastadoramente bela que penetrou na minha pele, seu sinuoso caminho através do meu sangue para o núcleo de minha alma, eu estava paralisado. Robert e eu olhamos um para o outro em silêncio absoluto como se perceber a situação de nossa família nos tivesse atingido como milhares de navios de guerra. A partir desse momento, Jolee se tornou nossa jóia mais preciosa, pois nunca poderíamos ser mais do que três irmãos. Embora houvesse uma leve brisa, o dia estava quente, e após algumas semanas nós tínhamos decidido brincar nas margens do rio Bittenham nas horas ensolaradas.

Robert e eu estávamos soltando uma pipa colorida feita de seda da China cuidadosamente cortada e tingida em um complexo padrão para formar um dragão com uma longa cauda vermelha, era o nosso bem material mais precioso na época. Jolee estava ocupada escrevendo nossos nomes na lama irregular ao longo da margem do rio, contente, nos procurando e sorrindo freqüentemente. Ela logo começou a ficar inquieta com seus esforços e pediu para que deixássemos a soltar a pipa. Não era cômodo nem pra mim, nem pro meu irmão e nós continuamos a dançar ao redor, ignorando apelos Jolee para soltar o “dragão”. Por fim, nos cansamos da brincadeira e decidimos nos divertir um pouco as custas dela, como garotos tolos estão acostumados a fazer.

Não havia nada que Jolee gostasse menos do que dizerem que ela não era capaz de fazer alguma coisa, porque era uma menina. Ela fazendo beicinho sempre nos fazia rir, então esse era o nosso jogo. Nós corremos e pulamos, fazendo o dragão brincar deste e daquele jeito, dizendo a ela que só tinha que segurar, caso contrário, viria a cair no chão e nós estaríamos encrencados com ela. Robert estava segurando suas mãos para dar-lhe apoio, ele agarrou-a e disse-lhe que talvez fosse melhor parar, já que essa não era uma brincadeira de garotas. Ela ficou brava e tentou arrancar o apoio, mas Robert escapou de suas tentativas. Por fim, ele admitiu, mas não sem os nossos comentários sarcásticos que ela certamente iria arruinar a pipa ou fazer papel de boba. Mais determinada em provar que nós dois estávamos errados do que nunca ela concentrada mordeu os lábios o quanto nós a provocávamos. A pipa era tão grande e ela era tão delicada. Eu disse a ela que a qualquer minuto o “dragão” iria cair. Uma rajada de vento muito forte veio e ela foi jogada para trás. Nós rimos, mas isso só a fez mais teimosa a continuar agarrada a pipa. Foi ai que eu disse que a única forma de provar que ela era uma verdadeira mestra em soltar pipa era se a soltasse com os olhos fechados. Ela estava indo em direção a beira do rio, mas nós estávamos encantados com o “dragão” no céu. Houve um estrondo de um trovão e eu disse que era melhor parar e correr para casa antes que fossemos apanhados pela tempestade que estava em nossa direção. Jolee disse que eu só estava tentando enganá-la e foi lançada para trás por outro vendaval que ameaçava destruir o dragão de suas mãos. Nesse instante, o mundo ficou em câmera lenta. Grandes gotas de chuva começaram a cair. Um corvo gritou de cima. Jolee andou para trás e um arbusto prendeu em seu vestido e fez com que ela perdesse o equilíbrio.

Só então ela abriu os olhos e eles olhavam para mim no último instante que ela estava ligada com a terra. Seu impulso a levou ao longo da borda esculpida pelo rio para a água corrente abaixo.  Ela se manteve firme a alça do dragão, enquanto a grande besta de seda caia em cima dela. Seus pequenos braços e pernas foram amarrados a corda e o material fino da pipa foi grudando a cada pedaço de pele exposta. A queda para o rio era muito íngreme, de modo que não podíamos pular atrás dela, a água era particularmente perigosa na curva onde estávamos, carregando Jolee rapidamente embora. Nós gritamos de horror e tentamos dizer a ela para nadar até a beira da água, onde estávamos esperando com um grande galho de árvore para ela agarrar, mas ela só nos respondeu com esforçados respingos. Nossos gritos de socorro foram engolidos pelo trovão e não havia ninguém próximo. Corremos ao longo da borda para segui-la, mas o caminho tornou-se arborizado e lançaram-se grandes obstáculos em nosso caminho.  Finalmente um pedaço de seda colorida e o vestido azul-celeste apareceram numa curva do rio para fora da nossa visão Nós caímos de joelhos, chamando o nome de nossa irmã, aterrorizados e impotentes.

To be contiued...
Continua...

Grato ao Hércules por me mandar essa tradução e me fazer pesquisar sobre essa história até encontrar uma versão em inglês, já que não tenho o álbum de luxo.


Siga este blog por e-mail